Eduardo dos Santos Martins, Agente Publicitário
  • Agente Publicitário

Eduardo dos Santos Martins

Curitiba (PR)
5seguidores95seguindo
Entrar em contato

Sobre mim

Publicitário
Publicitário, poeta e estudioso da língua portuguesa

Comentários

(257)

Recomendações

(49)
Christina Morais, Advogado
Christina Morais
Comentário · há 28 dias
Qualificação pós graduação também é uma coisa bem relativa. Bemmmm, bemmmm relativa mesmo. Eu, por exemplo, tenho uma pós latu sensu financiada por meu pai, como uma espécie de "continuidade" da minha educação. Uma vez no mercado, por minha conta e risco, jamais ganhei o suficiente para bancar minha strictu. Isso não me incomodava, até há bem pouco tempo, pois sempre fui prática, como os engenheiros, cuja classe é unânime em reconhecer que as stricuts sensu só fazem sentido pra quem for seguir carreira acadêmica (pra quem não entendeu, leia-se, a grosso modo: quem for dar aula em faculdade ou dedicar carreira a pesquisa científica). Como nunca me importei com carreira acadêmica, não esquentei a cabeça. Até que, nos últimos anos, graças a uma série de alterações nas políticas de educação, comecei a ver, em todas as classes e seguimentos, pessoas "semi" analfabetas, tituladas de mestres e doutores. "Semi" é uma cortesia minha. Acho realmente revoltante. De um lado, exigem que o advogado praticamente trabalhe de graça, e de outro, que para ser considerado "bom" possa pagar por um curso cuja mensalidade custa quase a totalidade de sua renda de subsistência? Ora façam-me o favor.

Então, desabafo dado, deixo um recado à população em geral: não se enganem e nem se deixem impressionar pela "titulação" de um advogado. Leia o que ele andou escrevendo, e pesquisem sobre a média de sucesso que alcança nas causas que patrocina. Se informem sobre tudo isso e, acima de tudo, confiem na indicação de ex clientes. É isso que faz o advogado. Nós temos que ser cultos, estarmos atualizados, sabermos atuar. Isso, nós alcançamos com a base de ensino que tivemos, e com os estudos constantes ao longo da vida. A partir da titulação, desde o bacharelado (formatura), bem como as pós graduações que tivemos oportunidade de fazer, até o dia em que morremos, somos todos, essencialmente, auto ditadas, pois a legislação muda como as estações do ano. Não adianta ser "doutor" cujo título já conta com 20 anos, se HOJE, não estamos preparados para a causa que nos é apresentada HOJE. Saibam que não existe nenhum curso, nenhum mesmo, que ateste o preparo do advogado para a atuação na defesa dos seus interesses. Isso, quem determina, é o mercado. Ou seja: são os clientes.

Mas, além de tudo isso, o mais essencial é a confiança. É sentir firmeza no contato com o advogado. Sentir que o que ele disse em uma consulta preliminar está de acordo com tudo o que você pesquisou antes sobre seu caso. Sentir que o que ele diz, faz sentido. Sentir que ele irá de fato, agarrar sua causa com unhas e dentes e irá estudar e varar noites em claro pesquisando, para garantir ao máximo suas chances de vitória. Confie em seu "feeling".

E, para terminar, leiam o que escreveu Elenilton. O problema que ele apresenta existe e mais: não apenas na graduação, mas nas pós graduações também. Que fique isso muito registrado.

Perfis que segue

(95)
Carregando

Seguidores

(5)
Carregando

Tópicos de interesse

(104)
Carregando
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres

ANÚNCIO PATROCINADO

Outros perfis como Eduardo

Carregando

Eduardo dos Santos Martins

Entrar em contato